GARANHUNS: O PIOR CASO DE CANIBALISMO BRASILEIRO

bruna-jorge-e-isabel-os-canibais-de-garanhuns

O caso de canibalismo de Garanhuns é dos mais bizarros já ocorridos no Brasil e no mundo. 3 pessoas: Bruna Cristina Oliveira da Silva, Jorge Beltrão Negromonte da Silveira e Isabel Cristina Pires da Silveira, faziam parte de uma pequena seita denominada "CARTEL". O Cartel visava a purificação e a redução da população mundial. Para que os objetivos fossem cumpridos, eles deveriam matar mais ou menos 3 mulheres por ano.

Em um dado momento, duas mulheres no município pernambucano de Garanhuns, Giselly Helena da Silva e Alexandra da Silva Falcão, foram dadas como desaparecidas, mas o que ninguém poderia imaginar é que elas tivessem sido vítimas de um crime sinistro que mostraria a face mais selvagem do ser humano. As duas jovens foram desmembradas e escondidas em covas no quintal de uma residência na Rua dos Emboabas do bairro da Liberdade onde viviam juntos Jorge Negromonte, a esposa Isabel Cristina e sua amante  Bruna Cristina.


foto das mulheres mortas pelos canibais de garanhuns
VÍTIMAS DOS CANIBAIS DE GARANHUNS

A maneira como escolhiam as vítimas era a mais sobrenatural possível. A seleção acontecia quando uma entidade ou espírito se comunicava com Jorge Beltrão (o canibal líder da seita) e então avisava se determinada mulher seria ou não uma má pessoa para que eles providenciassem o que na linguagem da seita canibal seria a "purificação", mas na verdade, tratava-se de assassinato mesmo.

As pessoas selecionadas eram atraídas até a casa dos canibais por meio de diversas artimanhas. Em uma de suas buscas por uma presa, foi oferecido um emprego de babá cujo salário era atrativo e despertava interesse. Na residência, em algum momento em que a postulante à vaga de emprego se encontrava distraída, eles a assassinaram, esquartejaram, comeram partes de seu corpo e enterraram o restante no fundo do quintal.

os canibais Bruna,Isabel e Jorge no tribunal
DA ESQUERDA PARA A DIREITA : BRUNA, ISABEL E JORGE NO JULGAMENTO

Isabel, a esposa do canibal Jorge Beltrão (em um depoimento na delegacia) afirmou que eles também usaram pedaços de carne de suas vítimas em coxinhas e empadas que ela mesma vendia na cidade. Para ficar mais macabra essa história, eles davam carne humana para uma criança que estava com eles comer também. Pessoas afirmam que de fato porções de carne humana temperada teriam sido encontradas em um freezer deles e levada por populares que por se encontrarem extremamente revoltados com a situação invadiram e incendiaram a casa onde os três culpados viviam.

O trio de canibais da seita Cartel acabou sendo preso por meio de investigações da polícia que descobriu que eles estavam usando o cartão de crédito de uma das mulheres mortas e canibalizadas. Assim os investigadores conseguiram fazer um rastreamento e descobrir o endereço.

O canibal Jorge Beltrão e a menina que eles sequestraram
O CANIBAL JORGE BELTRÃO E A GAROTINHA SEQUESTRADA QUE ELES CRIAVAM

Já na residência macabra, as autoridades encontraram uma garotinha (que na época estava com 5 anos). Os canibais estavam criando essa criança como se fosse deles, porém ela era a filha de Jéssica ( a primeira vítima de toda uma série de assassinatos). Os policiais conseguiram extrair com todo cuidado algumas informações da pequena órfã que por ter presenciado as mortes e a ocultação dos cadáveres, mostrou aos policiais onde estavam escondidos os corpos. O mais bizarro é o que ela lhes dizia após lhe mostrarem a foto de uma das mulheres desaparecidas, Giselly Helena: "O meu pai (o canibal Jorge) cortou a cabeça...mandou ela para o inferno...enterrou no quintal".



perna que legistas acharam em cova no quintal dos canibais
RESTOS MORTAIS DE UMA DAS VÍTIMAS



corpo encontrado que canibais de garanhuns enterraram no quintal
A PARTE SUPERIOR DE UMA DAS MULHERES MORTAS PELO TRIO CANIBAL




buraco onde canibais de garanhuns esconderam corpos
 COVA NO QUINTAL ONDE  CADÁVERES FORAM ENCONTRADOS



trio de amantes canibais de garanhuns
O TRIANGULO AMOROSO: UNIÃO SINISTRA PARA O MAL

Comentários